Jesus está chegando. Arrependei-vos…

Sempre tive medo dessa frase se tornar realidade. Acredito que Ele não merece isso.

Imaginem Jesus, voltando a terra e vendo tanta miséria e sofrimento sendo disseminada em seu nome. Imaginem o Cristo entrando na Basílica de São Francisco, no Pelourinho, em Salvador. Uma igreja toda banhada a ouro, com riquíssimos e requintados azulejos portugueses do século XVI. Olhando o tapete vermelho ao centro, toda a pompa da roupa do padre, dos cálices de ouro e da prataria no altar. Qual seria o sentimento do nazareno, que pregava a simplicidade e a humildade como principais virtudes do ser humano, vendo tanto luxo onde se cultuam a sua imagem, morto e pregado na cruz?

Jesus a essa altura, entraria numa Lan House, entraria no google, e iria estudar a Verdade por trás de tanta pompa. Descobriria as histórias das Cruzadas, onde homens carregaram a sua cruz para conquistar a Terra Santa. Saindo de Roma e saqueando, matando outros homens e estuprando mulheres no caminho da missão Sagrada de derrubar os “impuros” conquistadores de Jerusalém. Ainda estarrecido iria descobrir que o espaço, onde hoje encontramos os palácios do Vaticano, foi conquistado por um golpe, dado por um Papa em um imperador romano…

Triste, Ele iria descobrir ainda, que através da “Taxa Camarae“, pecados eram perdoados mediante o pagamento de uma quantia para conquistar as indulgências da Santa Sé. Iria descobrir trechos como esses: “o eclesiástico que cometa o pecado da carne, seja com freiras, seja com primas, sobrinhas ou afilhadas suas, seja, por fim, com outra mulher qualquer, será absolvido, mediante o pagamento de 67 libras, 12 soldos”, publicado pelo Papa Leão X, em 1517. Revoltado, iria querer quebrar toda a igreja como fez com o templo, tempos atrás. Mas notaria que dessa vez, não teria os apóstolos para ajudá-lo a sumir, e com certeza se acalmaria.

Jesus então procuraria no google, uma outra forma de cristianismo (palavra que com certeza, Ele não aprovaria). Encontraria as igrejas evangélicas. Primeiro iria se impressionar com a história de Lutero. Um homem de coragem que lutou para o regresso do sentimento que Ele havia ensinado 15 séculos antes. Encantar-se-ia com a colaboração de seu Pai que deu Guttemberg como uma espécie de “milagre” pra ajudar aquele monge alemão a disseminar seus ideais. Jesus vibraria com aquilo, com certeza. Mas aí, lendo algumas outras páginas do google, descobriria os escândalos de algumas facções religiosas oriundas do luteranismo. Novamente triste, iria encontrar a histórias de sacerdotes desonestos, de bispa presa em país estrangeiro e rezando missa online para fiéis no Brasil e no mundo. Encontraria um vídeo no Youtube com bispos ensinando como “arrancar dinheiro dos fiéis”. Muito chateado, Ele pararia um pouco. Daria uma olhada no site do GreenPeace, do WWF, da UNICEF, da APAE, da ONU. Ficaria feliz vendo que alguns aprenderam o único mandamento deixado por Ele. Amai-vos uns aos outros.

Jesus então voltaria às verdades. Veria que na Terra Santa, até hoje se mata em nome do Seu Pai. Chocaria-se com a intifada, teria vontade de intermediar, mas… Já o crucificaram lá uma vez, os judeus ainda estão no controle… Sabe como é, né… Nesse instante, rezaria pra seu Pai proteger os que sofrem naquela terra de gente louca, que se acha escolhida e preferida por Deus.

Encontraria a dor vendo padres pedófilos sendo processados no mundo todo. Iria rir da maquiagem e das palhaçadas do Padre Pinto. Veria no Brasil, a Pátria do Evangelho, a perseguição dos ditos Cristãos, contra os adeptos das religiões de origem africana. Se indignaria com as distorções das Suas Palavras, que são usadas para enganar fiéis em algumas religiões. Sofreria, e mais uma vez, diria: Pai perdoa, eles não sabem o que fazem…

O Cristo ficaria confuso com as novas misturas religiosas, como os: judeusevangélicos, umbandistaskardecistas, espiritólicos e os “baianos” (uma espécie de cristão, que pula sete ondinhas no reveillon, usa fita do Sr. do Bonfim, coloca flores pra Yemanjá, faz Caruru pra Iansã, freqüenta a Centro Espírita, bate tambor pra caboclo e não dispensa um patuá na bolsa).

Por fim, entenderia que a Verdade que liberta, não foi aprendida direito pelos seus filhos… Mas ficaria feliz com uma. Estaria de volta a terra, com uma missão ainda mais difícil que a primeira. Porém, agora, ao invés de pregar no Monte das Oliveiras para centenas, faria um site maneiro e utilizaria o mailmarketing para atingir os seus novos discípulos. Mas, uma coisa é certa: nada de emails powerpoints, isso é coisa do diabo, não de Deus, e transforma a internet num verdadeiro inferno…

Por Erick da Silva Cerqueira