cerebro_homerVivemos cercados de pessoas acéfalas, ignorantes, dominadas, guiadas, sem cultura, opinião, voz ou atitude. E para desespero geral da nação, esses seres acreditam-se felizes. E o pior, na verdade são. Não conhecem a angustia, tensão, stress, ansiedade em descobrir coisas novas, desejo de devorar um bom livro, de se orgulhar de fazer bem feito seus trabalhos, ser empreendedor, arriscar, assumir riscos. São os homens natimortos transitando entre nós.

Passam pela vida e deixam-na passar como se não existissem. Somente seus parentes se lembrarão dele e dirão:

– Foi um bom homem.

Lamentável. Sofrerão a mediocridade até na hora de receber um derradeiro elogio.

Almas que mal aproveitam a vida. Encarnações perdidas que serão lembradas com piedade. Não entenderam que nascemos para brilhar e temos a obrigação de fazermos nossa parte.

Crowley, Caetano, Sartre, Nietzsche e tantos outros tentaram fazer o nosso despertar. Mas a grande maioria vive sob uma cultura pré-iluminista com um atraso histórico de 500 anos às vésperas das comemorações dos 200 anos de Brasil. Afinal, o país só nasceu de verdade com a chegada da corte e do seu rei covarde. Que herança! Atraso intelectual, cultural, gerencial, saque das nossas riquezas e subserviência à igreja medievalista que se arrasta até hoje. Essa é a base que explica a mediocridade social brasileira. Resta saber se você vai se conformar com essa desculpa e seguir com o rebanho pastoreado ou irá se rebelar e tomar à difícil e dura decisão de ser diferente e Pensar.