Terça, 7 de junho de 2011. Cheguei em casa, cansado depois de um dia de trabalho, e vejo Fátima Bernardes com cara de enterro, dando uma notícia com a qual deveria estar muito feliz por dentro. Caiu Palocci, de novo. Mas dessa vez a crise é um pouco mais grave.

Para começar devo confessar que sempre votei no PT. Aliás, fui mais além. Trabalhei para uma prefeitura do petista. Porém, assim como meu herói que morreu de overdose de loucura, hoje o meu partido é um coração partido… E “incolável”.

Aprendi muito com o partido. Discuti política durante anos e sempre defendi a estrela vermelha. Fui autor de um texto polêmico, publicado no Observatório da Imprensa, sobre a queda do “carlismo” na Bahia. “Nasce o sol ao 2 de outubro”, meu primeiro trabalho publicado no Observatório, falava sobre a vitória de Wagner governador do Estado da Bahia. E o melhor, ainda no primeiro turno. Mas o Partido se distanciou de si mesmo.

Elegemos Dilma mesmo contra todos os factóides tucanos e as bolinhas de papel assassinas da Globo. Conseguimos vencer a antipatia, a fama de durona e guerrilheira da companheira, e principalmente, os escândalos do Mensalão. Foi duro, mas vencemos. Contudo, mais duro ainda, foi ver Delúbio Soares readmitido no partido. Essa foi terrível. Dirceu ainda vai, tem história, passado de luta, biografia ilibada (até o Mensalão) e um tino político como poucos no país. Mas Delúbio…

Com a primeira presidenta do país, não satisfeito com a reaquisição do ex-tesoureiro do partido, ressuscitamos Palocci. Esse não durou meio ano. Será que o Partido dos Trabalhadores não conhecia a existência da oposição? Esqueceu da guerra política forjada no Mensalão? Palocci seria (e foi) o principal alvo da turma derrotada. E dessa vez foi bem fácil…

Uma pequena pesquisa na vida do Dr. Antonio Palocci e descobre-se: ele é Inquilino de laranjas e aumentou em 20 vezes o próprio patrimônio em apenas 4 anos. Não vou nem julgar sua culpabilidade, mas sim, a “requentação” do seu nome no cenário político local. O PT parece ter esquecido que já foi pedra e agora é a vidraça mais requisitada da imprensa. Palocci foi um alvo perfeito…

Enquanto isso na Bahia

Na Bahia a coisa foi ainda pior. O Sr. Jacques Wagner acabou com a oposição, mas também acabou com o sindicalismo no Estado. Trouxe para o governo personagens emblemáticos das lideranças sindicais baianas e deixou alguns “movimentos” estáticos e acéfalos. Comprou os pastores das ovelhas que poderiam ameaçar o seu governo, com greves e reivindicações. Fez um vergonhoso contrato exigindo 4 anos de silêncio em troca de benefícios para algumas dessas categorias. Vide o caso dos professores do Estado. Além disso, sitiou a capital baiana com pedágios por todos os lados. Justo o PT, que sempre criticou a privatização das estradas por parte do PSDB paulista, esperou somente passar as eleições de 2010 para realizar as obras desse “presente de grego” aos soteropolitanos.

Para piorar recolocou no seu governo vários nomes retirados do poder, pelo voto do povo. Otto Alencar, João Leão, Roberto Muniz, Clóvis Ferraz, Pedro Alcântara, Jairo Carneiro, dentre outros, figuram entre os principais cargos do governo Peticarlista do “galeguin do zóio azú”. Um verdadeiro desrespeito à história do partido, aos seus correligionários e em especial à grande pequena Moema Gramacho. Justo ela que enjaulou os “leões” de Lauro de Freitas, hoje está sujeita  a ter de subir no mesmo palanque deles. O PT chegou ao absurdo de solicitar o apoio de ACM Neto para o candidato Pinheiro. na última eleição para prefeito de Salvador. Esse foi o ponto mais baixo da história do PT Baiano.

Não foi esse o PT que conheci, defendi e trabalhei para elevar seu nome desde a minha “adolescência cara-pintada”. Não foi esse o Sol do 2 de outubro que sonhei e ajudei a fazer brilhar.

Nunca me iludi com a “Síndrome de Poliana” de alguns companheiros. Sempre estive atento aos bons e maus colegas. Elogiava o certo em público e criticava o errado entre paredes, com o intuito de tentar ajudar a consertar. Mas hoje é preciso vir em público para pedir soluções. Pra fazer brilhar a nossa estrela, de novo. Afinal, não quero dizer a minha ética e as minhas convicções políticas: PT, Saudações…

Erick da Silva Cerqueira
PeTista e PuTo da vida com o meu ParTido